Japão pede ação da ONU contra ameaças norte-coreanas

O Japão vai solicitar uma resoluçãoimediata do Conselho de Segurança das Nações Unidas, incluindo sanções, se a Coréia do Norte cumprir a sua ameaça de realizar umteste nuclear, afirmou o ministro de Relações Exteriores japonês, Taro Aso. "O Japão considera que um teste nuclear por parte da Coréia do Norte seria uma grave ameaça à paz e à segurança não só do Japão mas do Nordeste da Ásia e de toda a comunidade internacional, o queseria absolutamente inaceitável", disse Aso em comunicado oficial. A mensagem exige que a Coréia do Norte desista do teste nuclear que, no dia 3 de outubro, disse que estava disposta a realizar para elevar seu "poder de dissuasão" diante dos Estados Unidos. Caso a Coréia do Norte realize o teste "apesar da preocupação comum expressada pela comunidade internacional", então "o Japão considerará que o Conselho de Segurança deve adotar rapidamente umaresolução que contenha medidas severas", acrescentou Aso. O ministro japonês elogiou a declaração adotada na véspera pela ONU, recomendando que a Coréia do Norte recue de suas intenções e se abstenha de qualquer ação que possa agravar a atual tensão no Oriente. O documento ressalta que um eventual teste nuclear "trará perigo à paz, à estabilidade e à segurança da região". O comunicado também pediu a volta imediata da Coréia do Norte às negociações com a Coréia do Sul, EUA, Japão, Rússia e China sobreseu programa nuclear. As conversações têm sido boicotadas pela Coréia do Norte, que desdenovembro exige a retirada das sanções financeiras impostas pelos Estados Unidos a bancos e entidades financeiras. O Conselho de Segurança também disse que Pyongyang deve acatar a declaração conjunta de 19 de setembro de 2005, realizada na quarta rodada das negociações. Na ocasião, a Coréia do Norte se comprometeu a desmantelar seus programas nucleares, voltar ao Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP) e cumprir as salvaguardas da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), em troca de assistência econômica e de garantias desegurança para seu regime. Alguns analistas acreditam que os testes acontecerão neste domingo, aniversário da nomeação de Kim Jong-Il como líder do Partido dos Trabalhadores norte-coreano, em 1997, três anos depois da morte de seu pai, o fundador da Coréia do Norte, Kim Il-Sung.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.