Japão pede ao Egito que evite a violência

Ministro de Exteriores, Seiji Maehara pede para egípcios criarem uma 'situação estável através do diálogo'

Efe,

30 de janeiro de 2011 | 05h25

TÓQUIO - O Governo japonês pediu neste domingo ao Executivo do Egito que resolva de forma pacífica a atual revolta, durante um encontro do ministro de Exteriores, Seiji Maehara, com o embaixador egípcio em Tóquio, Walid Mahmoud Abdelnaser.

Veja também:

especialInfográfico:  A revolução que abalou o mundo árabe

blog Tempo Real:  Chacra acompanha a situação no Egito

"O Japão deseja com firmeza que tanto o Governo egípcio como a população evitem a violência e criem uma situação estável através do diálogo", indicou Maehara, segundo informou a agência local Kyodo.

O ministro japonês reivindicou, além disso, ao enviado diplomático egípcio que seu Governo resolva a situação de cerca de 500 turistas japoneses que ficaram presos nesse país devido ao cancelamento de voos da Egyptair.

No Egito acontecem há dias manifestações e distúrbios nas ruas, com protestos a favor da democracia e diversos confrontos, sem que o toque de recolher ordenado pelo Governo tenha diminuído a insegurança ou os saques nas últimas horas.

As multinacionais japonesas têm nesse país muitos interesses, entre elas Nissan, Panasonic e Toshiba, que pediram a seu pessoal no Egito que se afaste das áreas mais inseguras e aos outros de seus funcionários, que não viajem para essa nação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.