Japão pede flexibilidade e clareza em sistema de gestão do iuane

O ministro das Finanças do Japão, Sadakazu Tanigaki, pediu a seu homólogo chinês, Jin Renqing, um sistema mais "claro" e "flexível" de gestão do iuane, segundo explicou hoje um porta-voz da embaixada japonesa. Os dois ministros se reuniram ontem durante três horas em Pequim para "aprofundar no entendimento da situação econômica bilateral" (que ultimamente passa por momentos ruins devido ao mal estado das relações políticas), confirmou o porta-voz a EFE. Em conversas que o Ministério chinês classificou de "cândidas e profundas", Tanigaki aplaudiu a reforma do iuane que a China realizou no ano passado, mas acrescentou que "um sistema de divisas mais flexível seria benéfico para a economia chinesa". A China se encontra sob muita pressão, principalmente dos EUA, para valorizar a moeda, reforma para a qual o gigante asiático deu os primeiros passos em julho ao desvincular sua moeda do dólar, mas sobre a qual o primeiro-ministro Wen Jiabao já advertiu no mês passado que não haveria novas "surpresas" este ano. Durante a reunião, Jin mostrou sua preocupação pelo recente anúncio japonês de "congelamento" dos empréstimos à China, decisão que considerou "lamentável", segundo a imprensa japonesa. O Governo japonês pensa em congelar seus créditos em ienes à China correspondentes ao próximo ano fiscal pela deterioração das relações bilaterais, medida que Pequim criticou por não ajudar na solução do conflito. Tanigaki explicou que o assunto agora está nas mãos do Ministério de Assuntos Exteriores. Apesar das diferenças, ambos classificaram o encontro como "positivo" e acertaram que a próxima reunião anual será realizada em Tóquio. A reunião de ontem é o primeiro contato interministerial desde que ambos os países decidiram estabelecer um mecanismo de diálogo para assuntos econômicos.

Agencia Estado,

26 Março 2006 | 03h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.