Japão pede punição por teste nuclear da Coreia do Norte

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, disse que o mundo deveria impor duras e novas sanções à Coreia do Norte, se o país prosseguir com os planos para um teste nuclear. Abe disse durante um programa de televisão que o Japão e a comunidade internacional precisarão introduzir "medidas muitas severas" contra a Coreia do Norte se o país conduzir o teste. Segundo ele, a Coreia do Norte não ganhará nada com essa provocação.

AE, Agência Estado

29 de janeiro de 2013 | 11h09

Na semana passada, a Coreia do Norte anunciou planos para um teste nuclear após o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) punir o país pelo lançamento de um foguete de longo alcance em dezembro. O Conselho de Segurança, incluindo a China, um aliado norte-coreano, afirmou que o foguete violou uma proibição sobre a atividade nuclear e de míssil e ordenou que o regime não realizasse o teste nuclear. A Coreia do Norte disse que lançou um satélite como parte de um programa espacial pacífico.

Os EUA, Coreia do Sul e seus aliados pressionaram a Coreia do Norte a desistir dos planos de testes nucleares, dizendo que isso só vai piorar décadas de isolamento internacional do país.

A Coreia do Norte está adotando "uma atitude muito provocativa" sob o governo do novo líder Kim Jong Un, afirmou Abe. "Primeiro eles lançaram um míssil, depois conduziram um teste nuclear, e eles começaram a falar à comunidade internacional para ter algum ganho com isso. Esse é o padrão deles", disse o primeiro-ministro japonês. "Precisamos fazer a Coreia do Norte perceber que ela não tem nada a ganhar por confrontar a sociedade internacional."

O Japão já proíbe pedidos de embarcações da Coreia do Norte e comércio com o país, e há pouco espaço para medidas adicionais. O governo japonês está considerando reforçar as restrições sobre transferências do Japão à Coreia do Norte e revogar as permissões de entrada para residentes éticos coreanos que viajam ao Norte. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
JapãoCoreianuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.