Japão pode adiar envio de tropas ao Iraque

O atentado a bomba contra a sede da ONU em Bagdá pode forçar o Japão a congelar planos de mandar uma força de paz para uma zona de combate pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial. Autoridades japonesas afirmaram hoje que o envio, aprovado no mês passado depois de acalorado debate no Parlamento, pode ser postergado por vários meses. "Um envio pode não ser possível este ano", anunciou o chefe da Agência de Defesa, Shigeru Ishiba, a repórteres. "Se oferecemos ajuda humanitária, não parece fora de questão que (tropas japonesas) possam ser alvo de ataque. Provavelmente levará algum tempo até que a paz seja restaurada", avaliou. "O fato é: o envio de tropas não ocorrerá em breve", acrescentou. O primeiro-ministro Junichiro Koizumi, que buscava elevar o perfil internacional do Japão expandindo seu papel nas forças de paz, tem destacado o dever japonês de ajudar na reconstrução do Iraque. Mas Koizumi, que buscará a reeleição como chefe do partido governante no mês que vem, prometeu tomar uma decisão sobre quando enviar as tropas apenas depois que uma equipe governamental confirmar que existe segurança no Iraque para a presença dos soldados japoneses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.