Japão pode reconhecer 'reivindicação' da China

O Japão está considerando reconhecer as reivindicações da China sobre a soberania das ilhas Senkaku (Diaoyu, para os chineses) como uma maneira de acalmar a tensão diplomática sobre a posse das ilhotas no Mar da China Oriental, informaram fontes diplomáticas à agência de notícias Kyodo do Japão. Mas ainda não está claro se a China seria encorajada por esse passo japonês a melhorar as relações entre os dois países. Com isso, o Japão não colocaria em questão sua soberania sobre as ilhas, apenas reconheceria que existe uma reivindicação chinesa. O governo chinês pediu a Tóquio que reconheça a existência da disputa sobre a soberania das ilhas Senkaku.

AE, Agência Estado

09 de outubro de 2012 | 15h29

Além da China, Taiwan também reivindica a soberania das ilhotas. Em uma reunião no mês passado com empresários japoneses em Pequim, um hierarca do Partido Comunista chinês, Jia Qinglin, instou o Japão a reconhecer a existência da disputa territorial.

Ao agir dessa maneira, Tóquio seguiria a mesma posição diplomática que adotou em 1972 a respeito de Taiwan, quando os governo chinês e japonês divulgaram comunicado conjunto, no qual a China afirmou que Taiwan era uma parte "inalienável" do seu território. O Japão declarou então que "respeitava e compreendia totalmente" a reivindicação da China, uma declaração que permitiu a Tóquio não mostrar claramente a própria posição a respeito do status soberano de Taiwan.

"O Japão deveria tomar consciência da seriedade da situação atual, avaliar a disputa sobre as ilhas Diaoyu e corrigir seu erro o mais cedo possível, para que as relações sino-japonesas não sejam mais prejudicadas", afirmou Qinglin, considerado o quarto político mais importante na nomenclatura do PC chinês.

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.