Japão prende suspeitos de vender tecnologia ao Irã

A polícia japonesa deteve cinco pessoas nesta quinta-feira, suspeitas de exportar para o Irã equipamentos que poderiam ser utilizados na fabricação de mísseis. Os cinco detidos trabalham para uma empresa de fabricação de máquinas. Entre eles está o presidente da companhia, Haruhiko Ueda, de 68 anos, disse uma fonte ligada à Polícia Metropolitana de Tóquio. Também estaria entre os detidos um representante comercial da empresa em Seul, capital sul-coreana.A companhia teria vendido ao Irã duas prensas industriais em 1999 e 2000, sem licença de exportação, revelou fonte policial sob a costumeira condição de anonimato. Se forem julgados e considerados culpados, cada um pode passar até cinco anos na cadeia.De acordo com a polícia, as prensas poderiam ser utilizadas para a produção de combustível sólido para foguetes e sua venda é proibida pelas diretrizes do Regime de Controle de Tecnologia de Mísseis, um pacto assinado pelo Japão, pelos Estados Unidos e por outros países com o objetivo de evitar a proliferação de armas de destruição em massa.O porta-voz disse que a companhia Seishin Enterprise Co. também é investigada pela suposta venda de equipamentos similares à Coréia do Norte em 1994. Já um porta-voz da companhia negou que a empresa tenha feito algo de ilegal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.