Japão prorroga sanções econômicas à Coréia do Norte

Medida é adotada porque Pyongyang não permite a verificação de seu processo de desnuclearização

Efe,

10 de outubro de 2008 | 02h04

O governo japonês prorrogou nesta sexta-feira, 10, por seis meses as sanções econômicas à Coréia do Norte, diante da falta de avanços em seu processo de desnuclearização, informa a agência local Kyodo.  O gabinete autorizou uma decisão tomada no dia 30 de setembro pelo governamental Partido Liberal-Democrata (PLD) para estender essas sanções além da data em que concluía sua vigência, em 13 de outubro. O ministro de Relações Exteriores japonês, Hirofumi Nakasone, argumentou na semana passada que a Coréia do Norte deve ainda estipular uma maneira de verificar seu processo de desnuclearização, como reivindica a comunidade internacional, e permitir que se investigue o seqüestro de cidadãos japoneses nos anos 70 e 80. Esta é a quarta vez que o Japão prorroga suas sanções econômicas à Coréia do Norte, impostas por causa do teste nuclear realizado por Pyongyang em outubro de 2006. As sanções econômicas proíbem a importação de produtos norte-coreanos por parte do Japão, assim como as exportações de muitos produtos japoneses à Coréia do Norte, e a entrada em águas territoriais japonesas dos navios de bandeira norte-coreana. Também não permite a entrada no Japão dos cidadãos da Coréia do Norte, com exceção para os que residem neste país, nem a exportação de bens de luxo ao regime comunista. Em junho, a Coréia do Norte se comprometeu a investigar o seqüestro de cidadãos japoneses por agentes norte-coreanos nos anos 70 e os 80 em troca de Tóquio relaxar algumas de suas sanções econômicas, mas o processo está estagnado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.