Japão pune funcionários por dados falsos sobre ajuda aos EUA

Energia dada aos americanos para atividade no Afeganistão era superior ao que constava nos registros japoneses

Efe,

22 de dezembro de 2007 | 12h23

O Ministério da Defesa do Japão puniu dez funcionários da Força Marítima de Autodefesa por passar informações falsas sobre o combustível destinado aos Estados Unidos para suas atividades no Afeganistão, informou neste sábado, 22, a agência Kyodo. O Ministério da Defesa disse que, durante quatro anos, os funcionários mantiveram um número errado no registro de fornecimento de combustível aos navios de guerra americanos. O erro teve repercussões políticas e este ano fez com que o gabinete de ministros apresentasse dados falsos quando o Parlamento pediu informações sobre a ajuda energética que o Japão fornecia aos Estados Unidos e aos seus aliados no Afeganistão. Segundo os documentos mostrados, em fevereiro de 2003, a Força Marítima de Autodefesa do Japão havia fornecido a um avião de guerra americano um total de 200.000 galões de combustível. Em setembro, apoiando-se nos relatórios do Exército dos Estados Unidos, uma ONG japonesa afirmou que a quantidade total entregue tinha sido superior a 800.000 galões. Além disso, o documento indicava que parte do combustível tinha acabado nos tanques do porta-aviões americano Kitty Hawk, que, posteriormente, foi usado no conflito no Iraque. Segundo a legislação japonesa, o fornecimento de combustível a navios de guerra americanos deveria se limitar à atividade militar no Afeganistão. Mais tarde, o Executivo se viu obrigado a reconhecer o erro, a corrigir o dado e abrir uma investigação dentro do Ministério da Defesa para identificar os culpados.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoJapãoEstados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.