Japão realiza primeiras execuções sob governo do Partido Democrático

Ministra da Justiça diz que país deve realiza debate sobre a aplicação da pena de morte

BBC

28 de julho de 2010 | 10h02

TÓQUIO - O Japão executou dois prisioneiros nesta quarta-feira, 28, e realizou as primeiras execuções desde que o Partido Democrático Japonês (PDJ) assumiu o poder no ano passado. Os dois prisioneiros, condenados por assassinatos, foram enforcados no Centro de Detenção de Tóquio.

 

A ministra da Justiça, Keiko Chiba, que se opõe à pena de morte, esteve presente nas execuções e anunciou a criação de um grupo para rever a prática no país, onde as pesquisas um grande apoio da população à pena capital.

 

Um dos executados era um homem de 59 anos condenado por matar seis mulheres ao atear fogo em uma joalheria. O outro, de 33 anos, foi sentenciado à forca por ter matado um homem e uma mulher em 2003.

 

Keiko disse que como ministra da Justiça, ela deve testemunhar as execuções pessoalmente. "Isso me fez pensar novamente sobre a pena de morte, e mais uma vez sinto que é preciso uma discussão fundamental sobre a prática", disse.

 

A nomeação de Keiko em setembro, quando o PDJ encerrou um ciclo de pode de décadas do Partido Cristão, foi vista como um sinal de que o debate poderia ser reaberto no país. Atualmente, 107 prisioneiros aguardam a execução no Japão. Eles são executados geralmente em grupos de dois ou três.

 

No ano passado, um relatório do grupo de direitos humanos Anistia Internacional pediu o fim das execuções no Japão alegando que manter os prisioneiros na chamada "fila da morte" os deixa loucos. Os condenados não são informados quando serão executados e seus familiares só ficam sabendo depois de eles ter ido para a forca.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãopena de morteexecuções

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.