REUTERS/Issei Kato
REUTERS/Issei Kato

Japão registra menos de 1 milhão de nascimentos pela primeira vez

De acordo com os dados apresentados pelo Ministério da Saúde, o Japão enfrenta uma queda na taxa natalidade pelo décimo ano consecutivo.

O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2017 | 18h26

TÓQUIO - Pela primeira vez desde 1899, quando teve início o recolhimento das estatísticas, os nascimentos anuais no Japão foram inferiores a 1 milhão. 

Essa é a principal conclusão da pesquisa mais recente realizada pelo Ministério da Saúde do país asiático sobre o assunto referente ao ano passado. 

De acordo com os dados apresentados, o Japão enfrenta uma queda na taxa natalidade pelo décimo ano consecutivo. 

No entanto, em 2016, a relação entre o número de nascimentos no país, que foi de cerca de 977 mil crianças, e o de mortes no mesmo período foi realmente acentuada. 

Segundo a pesquisa, no ano passado, a taxa de natalidade na nação, ou seja, o número médio de filhos por mulher, foi de 1,44, com uma queda de 0,01 em relação ao ano anterior. 

Essa diminuição, que parece discreta, mas que é preocupante, é mais significativa entre as mulheres mais jovens e de até 30 anos e mais leve nas mães no fim dos seus 30 anos e no começo dos seus 40. 

Além disso, a ilha de Okinawa, no sudoeste do arquipélago, é o lugar onde mais nascem crianças na "terra do sol nascente", com uma média de 1,95, enquanto a capital Tóquio tem a menor taxa de natalidade do país, de apenas 1,24. 

Os nascimentos na nação asiática vêm enfrentando quedas logo após o seu "baby boom" da década de 1970, durante o qual se registrava uma média de mais de 2 milhões de nascimentos por ano. O número caiu para 1,5 milhão em 1984, para 1,1 milhão em 2005 e agora para o marco histórico de menos de 1 milhão. / Ansa

Tudo o que sabemos sobre:
JapãoNatalidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.