Japão resiste a proposta de diálogo com Coreia do Norte

Postura ante convite chinês mostra relutância das lideranças asiáticas contra Pyongyang

Agência Estado

29 de novembro de 2010 | 09h46

TÓQUIO - O Japão demonstrou resistência à proposta da China de realizar conversas multilaterais no próximo mês, em Pequim, sobre a tensão após os confrontos entre Coreia do Norte e Coreia do Sul. Em entrevista à imprensa, o chefe de gabinete do governo japonês, Yoshito Sengoku, disse nesta segunda-feira, 29, que aparentemente essa proposta "não será aceita imediatamente".

 

Veja também:

video TV Estadão: Roberto Godoy analisa nova crise coreana

blog Radar Global: Veja imagens do ataque norte-coreano

documento Arquivo Estado: O armistício de Pan-Mun-Jon

especial Infográfico: As origens do impasse na península coreana

lista Entenda a crise entre os dois países 

 

Sengoku afirmou que os ataques indiscriminados da Coreia do Norte contra civis, ocorridos na semana passada, bem como o programa nuclear norte-coreano, são rupturas com acordos anteriores com o país.

 

O presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, afirmou também nesta segunda em rede nacional que pretende punir o governo norte-coreano caso realize novos ataques. "Quaisquer provocações do Norte de agora em diante, sem exceção, terão respostas duras", afirmou o líder sul-coreano.

 

Os comentários mostram a relutância de Japão e da Coreia do Sul ao pedido da China de retomar o diálogo em seis partes, que envolvem também EUA, Rússia e Coreia do Norte.

 

Saiba mais:

linkCoreia do Sul promete retaliar novo ataque do Norte

linkSeul aumenta controle militar cobre ilha atacada

linkChina convoca reunião sobre Coreias

 

Um funcionário do escritório presidencial em Seul revelou, pedindo anonimato, que o presidente Lee disse a emissários chineses ontem que não era o "momento certo" para a retomada do diálogo sobre o desarmamento de Pyongyang. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.