Japão restringe envio de dinheiro à Coreia do Norte

Medida é para reforçar sanções em vigor, uma semana após a Coreia do Sul ter acusado os norte-coreanos de terem atacado o navio "Cheonan"

Efe,

28 Maio 2010 | 04h27

TÓQUIO - O Governo japonês decidiu nesta sexta-feira, 28, restringir o envio de dinheiro à Coreia do Norte e reforçar as sanções em vigor, uma semana depois que o país comunista foi acusado de responsabilidade no afundamento de um navio sul-coreano, em incidente que causou 46 mortes.

Segundo a agência japonesa Kyodo, Tóquio rebaixará a três milhões de ienes (26,7 mil euros) os atuais dez milhões de ienes (89 mil euros) que são o limite do dinheiro que pode ser enviado do Japão à Coreia do Norte sem comunicação ao Governo.

Além disso, as autoridades japonesas diminuíram o limite máximo de dinheiro não declarado permitido para viajantes que têm como destino a Coreia do Norte. O valor, que era de 300 mil ienes (2.670 euros) passou a 100 mil ienes (890 euros).

O primeiro-ministro japonês, Yukio Hatoyama, pediu a seu Governo que reforce as sanções em vigor atualmente contra a Coreia do Norte, que proíbem as importações e exportações, de modo que não possam ser feitas através de outros países.

Hatoyama falou nesta sexta por telefone com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para acertar a recolocação de uma polêmica base americana no arquipélago japonês de Okinawa, e eles aproveitaram a oportunidade para debater o conflito entre as Coreias.

Segundo a agência local Kyodo, os líderes decidiram cooperar com Seul no caso da embarcação sul-coreana "Cheonan", que afundou no dia 26 de março após ser atingido por um torpedo lançado por um submarino norte-coreano, segundo investigação internacional divulgada em Seul.

O governo sul-coreano decidiu levar esse tema ao Conselho de Segurança da ONU na busca de possíveis novas sanções contra o regime comunista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.