Japão retira navios de apoio à missão dos EUA no Afeganistão

Tentativa do primeiro-ministro japonês de prolongar o apoio não deu resultado porque a oposição é contra

Efe,

01 de novembro de 2007 | 01h16

O ministro da Defesa do Japão, Shigeru Ishiba, ordenará nesta quinta-feira, 1, a retirada das Forças Marítimas de Autodefesa japonesas do Oceano Índico, onde forneciam combustível a navios dos Estados Unidos e seus aliados nas operações contra o terrorismo no Afeganistão, informou a agência Kyodo. A missão japonesa de apoio logístico começou há seis anos, após os atentados de 11 de setembro de 2001 em Nova York. Uma lei especial antiterrorista, cuja validade expirou nesta quarta-feira, autorizava a operação. O navio de abastecimento Tokiwa e o destróier Kirisame deixarão as águas do Índico logo que receberem a ordem do Ministério da Defesa. O comunicado deve ser enviado na noite desta quinta-feira, segundo a Kyodo. O primeiro-ministro japonês, Yasuo Fukuda, pretendia aprovar uma nova lei que permitisse retomar as tarefas. No entanto, a recusa do Partido Democrático, de oposição, que controla o Senado desde as eleições de julho, complica a tramitação da lei. Segundo fontes do Ministério da Defesa japonês, durante os seis anos de missão o Japão realizou 794 operações de abastecimento, fornecendo mais de 484 mil quilolitros de combustível a navios de 11 países, entre eles Estados Unidos, França, Reino Unido e Paquistão. A última ação de apoio logístico japonês foi na segunda-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
JapãoAfeganistãoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.