Japão se diz perto de acordo com a China sobre Coréia do Norte

O Japão se aproxima de um acordo com a China sobre como o Conselho de Segurança das Nações Unidas deve responder ao lançamento norte-coreano de um foguete, afirmou o premiê japonês, Taro Aso, depois de um encontro com os seus colegas chinês e sul-coreano neste sábado.

ISABEL REYNOLDS, REUTERS

11 de abril de 2009 | 10h42

Aso se reuniu com o primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, e com o presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, no resort de Pattaya, na Tailândia, onde ocorria uma reunião de cúpula regional, suspensa por conta das manifestações contra o governo tailandês.

"Acredito que os pensamentos dos nossos três países convergiram em um grau considerável sobre o conteúdo da mensagem que o Conselho de Segurança deve enviar, não importa o formato", disse Aso a jornalistas.

Os líderes japonês e sul-coreano afirmaram ao colega chinês que eles achavam conveniente aprovar uma resolução que afirmasse que a Coréia do Norte violara resoluções anteriores sobre lançamento de mísseis, declararam autoridades japonesas.

Wen Jiabao respondeu que entendia a posição dos dois países, mas que preferia uma declaração, em vez de uma resolução.

Em entrevista, Aso apontou que o Japão poderia concordar com um formato diferente em nome da rapidez e da unidade.

Mais cedo, a agência de notícias japonesa Kyodo afirmou que Tóquio recuaria da insistência por uma resolução e aceitaria uma declaração que o Estados Unidos estão apresentando aos países do Conselho de Segurança.

"Parece que a proposta se torna uma mensagem enfática e concreta", declarou Aso.

Tudo o que sabemos sobre:
JAPAOCHINACOREIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.