Japão se prepara para chegada de tufão

O Japão prevê a chegada de um dos mais fortes tufões dos últimos anos. O Melor deve chegar amanhã à ilha de Honshu, a maior do arquipélago japonês. Será o primeiro a passar pela nação desde 2007. Temporais e ventos já interrompem o fornecimento de energia elétrica para milhares de pessoas e derrubaram telhados em construções nas ilhas do sul do país.

AE, Agencia Estado

07 de outubro de 2009 | 10h54

"Nós estamos emitindo advertências de tempestades e fortes ondas, pois o tufão é visto como o mais forte da última década", afirmou Shinichi Nakatsukasa, da Agência Meteorológica local. O fenômeno traz ventos de 216 quilômetros por hora, movendo-se até fim desta quarta-feira (hora local) em direção a Shikoku, uma das quatro maiores ilhas japonesas, segundo a agência.

O tufão deve chegar amanhã ao oeste do país antes do amanhecer e deve se dirigir para a densamente povoada ilha de Honshu, coração industrial da nação asiática. A Toyota suspende a produção em 12 de suas plantas no país, enquanto operadores de trens no oeste afirmaram que cancelariam alguns dos serviços dos trens especiais expressos.

A tempestade pode lançar 500 milímetros de chuva torrencial no sudoeste do Japão em apenas 24 horas, informou a agência meteorológica. O Melor pode atingir o arquipélago em um curso similar a um tufão de 1959 que deixou milhares de mortos. Desde então, houve muitos esforços para fortalecer as casas e equipar as áreas costeiras com barragens.

Sul

Um total de 10.600 residências estavam hoje sem eletricidade nas ilhas do sul japonês, segundo empresas locais do setor. Não havia registros de feridos nesta área. Mais de 200 voos não puderam partir em razão dos fortes ventos no oeste do país, afetando 15 mil passageiros. A maioria dos serviços de ferry também foram suspensos na região. Um surfista de 46 anos se afogou em Kanagawa, a sudoeste de Tóquio. A polícia ainda investiga se ele morreu por causa das fortes ondas. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãotufão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.