Japão segue sem notícias sobre reféns mantidos pelo grupo Estado Islâmico

O Japão segue sem notícias sobre os dois reféns mantidos pelo grupo Estado Islâmico e o País prometeu não desistir dos esforços para o resgate.

Estadão Conteúdo

24 de janeiro de 2015 | 11h54

Em um vídeo postado na internet, o grupo terrorista pediu US$ 200 milhões pelos reféns Kenji Goto, de 47 anos, e Haruna Yukawa, de 42, e forneceu o prazo de 72 horas, que acabou na sexta-feira.

"Não iremos descartar qualquer possibilidade e verificamos todas as informações", disse Yasuhide Nakayama, vice-chanceler japonês enviado para Amã, na Jordânia. "Nós não vamos desistir. É meu dever garantir que vou levá-los para casa, e eu vou fazer o melhor possível".

Questionado sobre uma mensagem enviada na sexta-feira, o porta-voz do governo, Yoshihide Suga,disse que o Japão ainda a analisa. "A situação continua grave, mas fazemos tudo possível para libertar os dois japoneses", disse Suga, que informou que o Japão utiliza todos os canais disponíveis, como encontros com chefes de tribos locais para achar os sequestradores.

As autoridades japonesas não disseram diretamente se consideram o pagamento do resgate. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
JapãorefénsEstado Islâmico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.