Japão tem a maior parcela de idosos entre os países do mundo

O Japão ultrapassou a Itália e tornou-se a nação com a maior percentagem de idosos do mundo, anunciou nesta sexta-feira o governo, intensificando preocupações sobre os efeitos do rápido envelhecimento da população na segunda maior economia do planeta.Pessoas com 65 anos ou mais representavam 21% dos japoneses em 2005, ou 26,8 milhões dos 127,7 milhões de habitantes do arquipélago, superando a Itália, com 20%, informou o Ministério da Comunicação e Assuntos Internos.O percentual de habitantes com menos de 15 anos também passou a ser o mais baixo do mundo, 13,6%, superando a Bulgária, com 13,8%, segundo o relatório baseado num censo nacional realizado no ano passado."Isso mostra uma forte tendência para menos crianças", explicou Kuniko Inoguchi, o ministro governamental incumbido da tarefa de reverter a situação. "Estamos determinados a fazer de tudo para lidar com o problema", afirmou.A queda do índice de natalidade e a expansão da população idosa apresenta um sério desafio para o Japão, que tem de resolver a questão da redução da força de trabalho e da base fiscal. A questão da previdência social é das mais preocupantes, já que um número cada vez menor de empregados terá de sustentar um número cada vez maior de aposentados.A população japonesa registrou pela primeira vez em 2005 uma contração, fruto do número de mortes superar o de nascimentos. O índice de natalidade em 2005 atingiu o recorde de baixa de 1,25 bebê por mulher, bem abaixo do índice de 2,1 necessário para manter estável a população.A expectativa do governo é de que em 2015 um em cada quatro japoneses tenha 65 anos ou mais. Em 2050, será um para cada três se as projeções se confirmarem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.