Japão tenta fazer levantamento de centenários vivos

Mais de 230 mil cidadãos japoneses listados nos registros do governo como centenários não puderam ser encontrados e podem ter morrido há tempos, segundo uma pesquisa do governo divulgada hoje. Em agosto, o Ministério da Justiça ordenou uma revisão dos registros que haviam concluído que 77 mil pessoas estariam com pelo menos 120 anos, e 884 teriam 150 ou mais anos.

AE-AP, Agência Estado

10 de setembro de 2010 | 17h03

No total, a pesquisa sobre registros de famílias pelo país concluiu que 234.354 centenários são dados como vivos, mas não se sabe o paradeiro deles, segundo o ministério. As listas de pessoas com mais de 120 anos são certamente exageradas pela falta de registro dos óbitos. Por isso, os escritórios locais da administração foram orientados a anexar a esses documentos a informação sobre pessoas não contatadas, disse um funcionário da pasta.

Uma fonte do ministério, pedindo anonimato, disse que muitos dos desaparecidos provavelmente morreram, perderam contato com seus parentes ou se mudaram para o exterior. No fim de julho, a polícia descobriu que Sogen Kato, que estaria com 111 anos e era considerado o homem mais velho de Tóquio, estava na verdade morto havia 32 anos. A polícia prendeu a neta dele por suspeita de abandono e fraude no sistema previdenciário.

O caso e outras revelações de parentes que cometem fraudes para obter aposentadorias geraram uma maior atenção sobre o relatório anual sobre centenários do Ministério da Saúde. No ano passado, o relatório informou que o Japão tinha 40.399 pessoas com 100 ou mais anos com endereços conhecidos.

Um funcionário do departamento de estatísticas do Ministério da Saúde informou que a pesquisa divulgada hoje não altera o fato de o Japão ser o país com a maior população de idosos do mundo, pois esses cálculos não são baseados em registros das famílias.

Idosos

A parcela da população japonesa com 65 anos ou mais atingiu 22,7% da população nacional no ano passado. Já aqueles com 14 ou menos anos são 13,3% dos japoneses - o incide mais baixo entre os 27 países com população de mais de 40 milhões de pessoas.

As japonesas têm expectativa de vida de 86 anos, o índice mais alto no mundo, enquanto os japoneses vivem em média 80 anos. A taxa de crescimento do Japão está em seu menor nível na história, por causa dos problemas sociais. Com isso, há o temor de que falte mão-de-obra no país no futuro próximo.

Tudo o que sabemos sobre:
mortecentenáriosJapão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.