Issei Kato/Reuters
Issei Kato/Reuters

Japão vai alocar 23% de seu orçamento em 2020 para quitar dívida pública

Porta-voz do gabinete, Yoshihide Suga, afirma que aumento vem de crescimento das despesas com previdência social e de políticas para impulsionar economia

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de dezembro de 2019 | 04h04

O governo do Japão anunciou nesta sexta-feira, 20, o projeto de orçamento para o ano fiscal de 2020, que implica um aumento de 1,2% nas despesas em relação a 2019 e planeja alocar quase 23% das receitas para cobrir a dívida pública.

Para o ano fiscal que começará em abril próximo, o gabinete de Shinzo Abe levará um orçamento de 102,66 bilhões de ienes ao Parlamento japonês.

Esse número, incluído no rascunho divulgado nesta sexta-feira no final da reunião do governo, representa um aumento anual de 1,2% nas despesas planejadas para o ano 2020 em comparação a 2019, que será encerrado em março próximo.

Em entrevista coletiva, o porta-voz do gabinete, Yoshihide Suga, justificou o aumento devido ao crescimento das despesas com previdência social e das políticas de estímulo para impulsionar a economia. "Sem crescimento econômico, as contas não podem ser limpas", acrescentou o alto funcionário.

Do montante previsto no projeto de orçamento, 77,3% serão utilizados para cobrir as despesas administrativas e 22,7% para o serviço da dívida pública do Japão, a terceira economia mundial, depois dos Estados Unidos e da China.

No final de 2018, a dívida pública do Japão era equivalente a 201% do produto interno bruto (PIB) nominal, o maior percentual entre os países desenvolvidos. O projeto de orçamento prevê que, no ano fiscal de 2020, o Japão emitirá novos títulos de dívida pública adicionais no valor de 32,56 bilhões de ienes, 0,32% a menos do que o número planejado para o ano fiscal atual.

Esses dados, fornecidos pelo Ministério das Finanças, implicam a décima redução anual consecutiva na emissão de novos títulos de dívida pública adicionais. Porém, se o refinanciamento dos instrumentos financeiros atuais for incluído, o montante sobe para 153,46 trilhões de ienes, o que representa o primeiro aumento anual em seis anos.

A terceira parte do orçamento de 2020 será usada para cobrir os custos da seguridade social, que vêm aumentando no Japão devido ao envelhecimento progressivo da população e à diminuição da taxa de natalidade, um dos principais desafios que o governo de Shinzo Abe enfrenta. O projeto também prevê um aumento anual de 1,1% nas despesas de defesa, até 5,31 bilhões de ienes, o sétimo registro consecutivo de aumento do orçamento.

Como parte das medidas para estimar a economia, o governo de Abe propôs alocar um total de 6,86 bilhões de ienes para obras de infraestrutura. Em 5 de dezembro, o governo japonês aprovou um programa de três anos no valor de 26 bilhões de ienes para estimular o crescimento de sua economia e melhorar a infraestrutura para desastres naturais. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.