Japão vai negociar caça comercial de baleias

País quer negociar caça controlada; entidade de proteção se opõe a proposta

Efe,

20 de junho de 2010 | 06h31

TÓQUIO - O Japão participa da reunião da Comissão Baleeira Internacional (CBI) a ser realizado a partir da próxima segunda-feira, 21, em Agadir (Marrocos), disposto a negociar uma caça comercial de baleias controlada, a qual vários membros do organismo se opõem frontalmente.

Embora signatário da moratória que em 1986 proibiu a caça de baleias com fins comerciais, o Japão aproveitou o vazio legal que existe sobre a "caça científica" e, com este argumento, mantém um polêmico programa de capturas que escapa do controle da CBI.

Em Agadir se discutirá uma proposta para dar sinal verde para que o Japão cace um certo número de baleias com fins comerciais, sob estrito controle da Comissão Baleeira, em troca de reduzir sua captura no Antártico.

A princípio, o plano apresentado não convence nem Tóquio, que o considera restritivo demais, nem a países como Austrália, que o veem permissivo demais, embora o Japão assegure que está aberto a negociar.

Concretamente, a iniciativa, promovida pelo presidente da CBI, o chileno Cristián Maquieira, permitiria ao Japão caçar 400 baleias minke em águas do Oceano Antártico entre 2011 e 2015, e reduzir esse número para 200 entre 2015 e 2020.

Atualmente a frota baleeira japonesa captura cerca de mil cetáceos em águas do antártico a cada ano, embora no ano fiscal de 2009 (que terminou em março) só pôde caçar metade porque as sabotagem de ativistas ambientais impediram o cumprimento de seu objetivo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.