Japonês e 2 norte-americanos levam Nobel de Química

O japonês Osamu Shimomura e os norte-americanos Martin Chalfie e Roger Tsien ganharam hoje o prêmio Nobel de Química de 2008. A distinção ocorreu pela descoberta e pelo desenvolvimento de uma proteína que propicia pesquisas na biologia molecular. A Real Academia Sueca de Ciência anunciou que o trio repartiu o prêmio por seus trabalhos envolvendo a proteína verde fluorescente, observada pela primeira vez em uma medusa. A proteína é agora um implemento de vasto uso em laboratórios para iluminar processos em organismo vivos, como a geração de células cerebrais ou de células cancerígenas.Shimomura isolou pela primeira vez a proteína de uma medusa encontrada na costa ocidental da América do Norte e descobriu que emitia uma luminescência verde sob a luz ultravioleta, nos anos 1960. A proteína é também conhecida como GFP (sigla em inglês para green fluorescent protein). Na secada de 1990, Chalfie mostrou a importância da GFP "como um marcador genético luminoso", enquanto Tsien contribuiu "para a compreensão geral de como a GFP emite fluorescência", apontou a academia em sua argumentação.A entidade afirmou que o trabalho dos três cientistas permitiu aos "pesquisadores seguir diferentes processos biológicos ao mesmo tempo". Os cientistas puderam utilizar a GFP para estudos na lesão que causa o mal de Alzheimer nos neurônios, ou observar a maneira em que as células beta que produzem insulina são criadas no pâncreas de um embrião em desenvolvimento. "Em um experimento espetacular, os investigadores conseguiram marcar diferentes neurônios no cérebro de um rato com um caleidoscópio de cores", recordou a academia.Nascido em 1928, Shimomura trabalha na Boston University Medical School e na Marine Biological Laboratory, em Woods Hole, Massachusetts. Chalfie, nascido em 1947, trabalha na Universidade Columbia, em Nova York. Já Tsien, nascido em 1952, é professor na Universidade da Califórnia, em San Diego. O trio dividirá o prêmio de 10 milhões de coroas (US$ 1,4 milhão). Tsien se disse surpreso com a distinção. "Houve alguns rumores, mas de fontes cuja confiabilidade era questionável", recordou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.