Japonesas perdem título de mais longevas do mundo

Depois de 26 anos no topo da lista das mulheres de maior expectativa de vida do mundo, as japonesas perderam no ano passado a coroa, disse nesta quarta-feira o governo do Japão, que culpou o terremoto e o tsunami de 2011 pela queda.

Reuters

26 de julho de 2012 | 08h37

O Ministério do Trabalho e Saúde informou que o desastre, que deixou aproximadamente 20 mil mortos ou desaparecidos, foi o principal fator por trás da queda na média da expectativa de vida, que caiu 0.4 anos, ficando em 85,9 anos. As japonesas ficaram atrás das mulheres de Hong Kong, cuja média é de 86,7 anos.

Segundo o ministério, o aumento nos casos de suicídio no ano passado também contribuiu para o declínio.

Para os homens, a média da expectativa de vida caiu 0,11 anos, ficando em 79,44 anos, empatados com os italianos em sétimo lugar. Os suíços estão no topo da lista, com 80,2 anos.

Como resultado dos avanços na saúde e queda da taxa de natalidade, o Japão, décima nação mais populosa do mundo, é um das sociedades com mais idosos e um ritmo de envelhecimento mais rápido.

A tendência ficou especialmente evidente no nordeste do país, região onde mesmo antes do tsunami a escassez de empregos levava os jovens a migrarem. Boa parte das vítimas do desastre era de moradores idosos.

(Por Teppei Kasai)

Mais conteúdo sobre:
JAPAOMULHERESLONGEVIDADE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.