REUTERS/RAF/MoD/Crown Copyright
REUTERS/RAF/MoD/Crown Copyright

Jatos russos interceptam e ficam a 1,5 metro de avião americano no Mar Báltico

Segundo o Ministério da Defesa russo, o episódio aconteceu na segunda-feira, quando uma aeronave de reconhecimento americana tentou se aproximar dos jatos da Rússia com uma 'virada provocatória'

O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2017 | 18h56

MOSCOU - O Ministério da Defesa russo informou nesta terça-feira, 20, que caças russos Sukhoi SU-27 interceptaram dois aviões de reconhecimento RC-135 pertencentes aos EUA sobre o Mar Báltico, norte da Europa. 

Segundo o ministério, o episódio aconteceu na segunda-feira, quando uma das aeronaves americanas tentou se aproximar dos jatos da Rússia com uma “virada provocatória”. 

Segundo a rede Fox News, os caças, que estavam armados, chegaram a ficar a apenas um metro e meio dos aviões de reconhecimento. A aproximação aconteceu em um espaço aéreo internacional, mas não se sabe exatamente em que local. 

Episódios do tipo já ocorreram em outras ocasiões, mas esse foi no mesmo dia em que a Rússia afirmou que consideraria como “alvo” qualquer avião dos EUA em operação na Síria, a 3 mil quilômetros do Mar Báltico.     

Além disso, os EUA participaram recentemente de um grande exercício militar anual na região, que envolveu 50 navios e 50 caças. Segundo o Ministério da Defesa russo, os aviões americanos foram “escoltados” até mudarem sua rota para longe da fronteira russa.   

As nações bálticas – Letônia, Estônia e Lituânia – são um dos principais focos de preocupação da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), aliança militar ocidental muitas vezes criticada pelo presidente Vladimir Putin em razão de sua expansão pelo leste europeu. 

Recentemente, a Otan reforçou suas tropas na Letônia, ex-república soviética que, segundo o think tank Rand Corporation, poderia ser conquistada em menos de 60 horas. / AP, NYT e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Estados UnidosRússiaMar Báltico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.