Jerusalém é disputada bairro a bairro

Diante de um possível acordo de paz que transforme a cidade em capital de dois Estados, judeus e árabes lutam por regiões estratégicas

Roberto Simon ENVIADO ESPECIAL / JERUSALÉM, O Estado de S.Paulo

30 de agosto de 2010 | 00h00

Novas fronteiras. Assentamento de colonos judeus em Jerusalém Oriental: batalha jurídica              

 

 

 

 

Incomodado com o barulho, Muhammad Al-Kurd, de 12 anos, decidiu mudar sua cama de lugar. O som não vinha da rua, no Vale de Sheik Jarrah, em Jerusalém Oriental, mas de dentro de sua casa. No quarto ao lado, mora um grupo de colonos judeus que há dois anos ganhou na Justiça o direito de propriedade sobre parte dos cômodos do imóvel. Hoje, metade da casa é palestina, metade é israelense.

Embora vivam sob o mesmo teto, separados por uma parede, os vizinhos não se falam - e rotineiramente trocam provocações e tapas. A casa dos Kurds é uma espécie de microcosmo do braço de ferro que cada vez mais domina Jerusalém. Diante de um possível acordo que transforme a cidade em capitais de dois Estados, judeus e árabes passaram a disputar regiões estratégicas para redesenhar fronteiras políticas e demográficas de Jerusalém Oriental. Até 2008, Sheik Jarrah era habitada por 28 famílias palestinas "assentadas" nos anos 50. Há dois anos, porém, organizações de colonos israelenses apresentaram à Justiça títulos de propriedades na região que datam dos períodos em que os impérios otomano e, em seguida, britânico administravam o que hoje é Israel. A Corte reconheceu os documentos e ordenou o despejo de três famílias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.