''Jihad só terá fim com saída americana''

Representante diz que grupo radical islâmico não negocia trégua e não acredita na oferta de diálogo de Karzai

Lourival Sant?Anna, O Estadao de S.Paulo

18 de agosto de 2009 | 00h00

O porta-voz do Taleban, Qari Yousef Ahmadi, desmentiu ontem, em entrevista ao Estado, que o movimento esteja negociando uma trégua para a realização das eleições para presidente e para os conselhos provinciais, na quinta-feira. Em entrevista gravada, por telefone celular, de um local não revelado, Ahmadi também descartou a possibilidade de negociações com Hamid Karzai, caso seja reeleito, conforme tem acenado o presidente. Segundo o porta-voz, o Taleban está lutando uma jihad (guerra santa) para libertar o Afeganistão da ocupação estrangeira, que só terminará com a sua retirada. Ahmadi afirmou que os civis mortos nos atentados do Taleban - como as sete vítimas do carro-bomba de sábado em Cabul - não eram civis, mas pessoas que tinham participação na guerra.O senhor confirma as informações de negociações com o Taleban para uma trégua no dia da eleição?Essa notícia é falsa. O governo quer enganar o povo. O Taleban tem alguma preferência entre os principais candidatos a presidente?Não preferimos nenhum deles. Eles são apoiados pelo Ocidente. São escravos do Ocidente. Não são pelo bem do país. Não se importam com o Islã, com o povo, com Deus. Não se preocupam com o fato de que o regime é não-islâmico e mata muçulmanos inocentes todos os dias.O presidente Hamid Karzai tem falado em negociar com o Taleban, caso se reeleja. O Taleban aceitaria?Todo mundo sabe hoje que Karzai é um palhaço. Ninguém deu atenção a ele nos seus sete anos de governo. Karzai diz que serviu ao povo, mas na verdade ele serviu aos ocidentais. Ele matou civis. Ele deu poder aos chefes de milícias ("warlords", ou "senhores da guerra"). Primeiro ele prometeu libertar os presos de Qala-e-Jangi (prisão para onde foram levados cerca de 300 combatentes estrangeiros do Taleban que se renderam). Mas, de acordo com as ordens dos americanos, do Dostum (general usbeque Abdul Rashid Dostum, ex-membro da Aliança do Norte, inimiga do Taleban) e do (líder usbeque Abdul) Malik, eles (os prisioneiros) foram mortos, assim como milhares de outros inocentes. Um dia, Dostum, Malik e outros chefes de milícias serão julgados e prestarão contas pelo que fizeram sob o pretexto de serem líderes, comandantes, etc. Se Karzai for reeleito, vai dar a sua palavra e voltar atrás outras vezes. Nunca somos otimistas com seu governo.Qual o objetivo do Taleban? Vocês querem tomar de volta o poder do país?Um objetivo é lutar a jihad (guerra santa). A jihad é pelo Islã e pela integridade (do território) nacional. Neste momento, este é um movimento jihadista pelo Islã e por Deus.As mortes de civis não prejudicam o apoio ao Taleban?Não têm efeito algum. Os civis são contra eles (forças internacionais e governo afegão). Não há nenhuma diferença entre o Taleban e os civis, pois ambos são afegãos. As forças internacionais e o governo estão por trás dos massacres do povo. Os que resistem contra os estrangeiros são todos civis. Aqueles que matam os estrangeiros e não-muçulmanos são heróis e os que são mortos são mártires. Houve um confronto em Charchino (centro do Afeganistão). O governo e as forças internacionais usaram tanques e artilharia aérea, causando baixas civis. O Taleban não ataca ninguém, está apenas defendendo o país. Os civis são aqueles que não têm participação na jihad. Os que estão sendo mortos em Cabul, na base de Bagram e em outros lugares têm participação e portanto não são civis. Os alvos são escolhidos com critério (por nós) e não há baixas civis. Com a aproximação das eleições, os americanos plantaram minas na região de Zeyarat, na Província de Kandahar, onde muitos civis morreram. É uma conspiração dos escravos dos americanos, não nossa.Vocês têm uma solução política para o conflito entre o governo e o Taleban?Esse é um governo fantoche. Os estrangeiros ocuparam nosso país e esta é uma resistência com o objetivo de arrancar as mãos deles do nosso país. Sugerimos amigavelmente que os estrangeiros vão embora. Os afegãos sabem governar o país. Continuaremos nossa guerra defensiva contra eles. Se eles forem embora, não haverá mais problemas. Há alguma ligação entre o Taleban do Paquistão e o do Afeganistão?Eles são taleban como nós. Mas não há relações militares e políticas que afetem um lado ou o outro. Qual a relação entre o Taleban afegão e a Al-Qaeda?Nenhuma. O que temos em comum são os fundamentos islâmicos. A guerra do Afeganistão é nossa. Todos os mujaheddin (combatentes do taleban) e seus comandantes são afegãos. É óbvio para todos que nossa resistência é afegã.O Taleban recebe apoio de outros grupos e de países?Não tenho conhecimento de nenhum país que ajude o Taleban. Mas empresários e comerciantes pró-islâmicos nos ajudam. Não somos oficialmente ajudados por nenhuma nação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.