Jihad vai manter ataques contra Israel

Os ataques dentro de Israel continuarão sendo um instrumento de resistência, afirmaram alguns líderes palestinos radicais, depois que o grupo militante islâmico Hamas anunciou que estava suspendendo esses ataques. O representante da Jihad islâmica no Líbano, Abu Imad Rifai, disse que seu grupo vai manter os ataques suicidas. "A Jihad islâmica não irá suspender seus ataques, mesmo se todas as facções palestinas decidirem parar", disse Rifai em entrevista por telefone para a Associated Press. "Enquanto houver ocupação, é nosso diretor natural resistir com todos os meios disponíveis", acrescentou. Na Síria, o líder do grupo radical Frente Popular para a Libertação da Palestina - também identificado como um grupo terrorista pelos EUA - prometeu manter os ataques contra Israel. "Nós claramente anunciamos e confirmamos nossa devoção ao nosso direito e dever em resistir, lutar e com a ´Intifada´, uma vez que são direitos legítimos", disse Maher el-Taher, um membro do escritório político do grupo, durante comício que marcou o 34º aniversário da FPLP. "Não vamos nos render", disse el-Taher a refugiados palestinos no campo Yarmouk, localizado 8 km ao sul de Damasco. A FPLP assumiu a responsabilidade pelo assassinato do ministro de Turismo de Israel Rehavam Zeevi, em outubro, em retaliação ao assassinato, pelo exército israelense, do líder do grupo Mustafa Zibri, que era conhecido como Abu Ali Mustafa. A Jihad islâmica reclamou a responsabilidade por numerosos ataques suicidas a bomba em Israel nos últimos anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.