Jimmy Carter aceita mediar a crise na Venezuela

O ex-presidente dos EUA Jimmy Carter aceitou o convite do governo da Venezuela para que ele atue como mediador no diálogo entre o governo e a oposição, a fim de restabelecer a estabilidade no país após o frustrado golpe de Estado contra o presidente Hugo Chávez, disse o presidente José Vicente Rangel. "O ex-presidente Jimmy Carter me comunicou que havia dado instruções a seu escritório para que se iniciem os contatos com a Venezuela com o objetivo de organizar sua visita ao nosso país", disse Rangel no domingo à agência noticiosa estatal Venpress. Rangel disse que uma delegação do Centro Carter, com sede em Atlanta, na Geórgia, visitará a Venezuela dentro de duas semanas, mas não indicou quando Carter virá. A Venezuela fez o convite a Carter na semana passada, esperando dessa maneira resgatar o diálogo com dirigentes da oposição. O presidente Hugo Chávez se comprometeu a adotar uma política de reconciliação após retornar ao poder em 12 de abril, mas muitos políticos opositores disseram que falta seriedade ao diálogo proposto pelo governo. Vários partidos opositores continuam com sua campanha para tirar Chávez do poder através de um referendo. Eles responsabilizam o atual mandatário por uma drástica piora da situação econômica e por dividir o país com seus ataques ao empresariado, à Igreja, à imprensa e à maioria dos partidos políticos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.