KCNA/Reuters
KCNA/Reuters

Jimmy Carter se reúne com número 2 de Pyongyang para libertar americano

Ex-presidente dos EUA intercede por Aijalon Mahli Gomes, preso na Coreia do Norte desde janeiro

JEREMY LAURENCE, REUTERS

25 de agosto de 2010 | 18h18

O ex-presidente norte-americano Jimmy Carter se reuniu nesta quarta-feira, 25, com o chefe de Estado da Coreia do Norte, após chegar a Pyongyang para uma visita particular, destinada a libertar um norte-americano preso pelo regime local.

A TV estatal norte-coreana mostrou Carter ao lado de Kim Yong-nam, oficialmente o chefe de Estado, mas na prática o número 2 do regime, subordinado ao ditador Kim Jong-il.

"Eles tiveram uma conversa numa atmosfera calorosa", disse a TV estatal, sem entrar em detalhes sobre o conteúdo.

A visita de Carter ocorre num momento turbulento na península, depois do naufrágio de uma corveta sul-coreana, em março, atribuído por Seul e Washington à Coreia do Norte -- que no entanto rejeita a acusação.

O ex-presidente, ganhador do Nobel da Paz, e sua comitiva foram recebidos no aeroporto pelo vice-chanceler Kim Kye-gwan, que representa o regime nas negociações multilaterais de desarmamento nuclear, paralisadas há dois anos.

O estadista, de 85 anos, foi à Coreia do Norte para obter a libertação de Aijalon Mahli Gomes, condenado meses atrás a oito anos de trabalhos forçados por entrar ilegalmente na Coreia do Norte.

A imprensa estatal disse no mês passado que o norte-americano, de 30 anos, havia tentado suicídio.

O Departamento de Estado dos EUA afirmou que Carter estava em "viagem particular" para fins humanitários, e que não faria comentários para não colocar em risco o sucesso da missão.

No ano passado, o ex-presidente Bill Clinton já havia ido à Coreia do Norte para obter a libertação de duas jornalistas presas por entrarem ilegalmente no país.

A imprensa sul-coreana disse neste mês que a Coreia do Norte deseja que Washington envie um representante para discutir uma melhoria nas relações, inclusive com a retomada das negociações multilaterais.

O objetivo é levar a Coreia do Norte a abrir mão do seu arsenal nuclear em troca de incentivos econômicos e diplomáticos. O processo envolve Estados Unidos, China, Rússia, Japão e as duas Coreias.

Washington e Seul dizem que Pyongyang deveria admitir sua responsabilidade no naufrágio da corveta sul-coreana Cheonan, em março, como pré-requisito para voltar às negociações. Pyongyang insiste na sua inocência. O  afundamento deixou 46 marinheiros mortos.

(Reportagem adicional de Kwon Youri, Jack Kim e Brett Cole, em Seul, e de Tabassum Zakaria, em Washington)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.