Joalheiro condenado por esquema de pirâmide em Miami

Um ex-executivo de uma firma de joalheira foi condenado a 14 anos de prisão por seu envolvimento numa fraude de pirâmide que usava o ?vidente? Walter Mercado como garoto-propaganda e deixou pelo menos 16.000 vítimas. A fraude total pode chegar a US$ 90 milhões, e metade disso já teria sido recuperado. A empresa de Enrique Pirela, Unique Gems International Corp., vendia colares de hematita que, segundo a propaganda feita por Mercado, curavam câncer, impotência sexual e pobreza. O esquema de pirâmide entrava em funcionamento quando pessoas eram convencidas a comprar um kit de montagem de colares por US$ 3.000 (o valor do material foi avaliado em US$ 100), e devolver os colares prontos para a empresa. Uma vez completado um lote de colares, os montadores eram promovidos a ?mercadores autorizados? e passavam a recrutar novos montadores, recebendo comissão sobre a venda de kits. O golpe funcionou, em escala internacional, de 1995 a 1997.Investigadores encontraram 372.000 colares armazenados e disseram que a Unique Gems obteve US$ 1.400 com as vendas do produto acabado, e colocaram 2.900 colares em consignação. Alguns não têm fechos e são pequenos demais para passar pela cabeça. Os montadores recebiam pedrinhas tailandesas no valor de um centavo de dólar e eram informados de que cada colar seria vendido por US$ 60. Duas pessoas, também indiciadas, seriam fugitivas da Justiça espanhola.Pirela fugiu para a Venezuela para escapar de ameaças de morte, após o colapso do esquema. Ele foi preso quando voltou aos EUA para assistir ao casamento do filho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.