Jobim contesta Alencar sobre bomba iraniana

O ministro da Defesa brasileiro, Nelson Jobim, contestou ontem a tese do vice-presidente, José Alencar, que, na terça-feira, quando estava no exercício da Presidência da República, declarou que o Irã tem o direito de ter armas nucleares para "fins pacíficos", com o objetivo de "dissuadir" os inimigos.

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2010 | 00h00

Para Jobim, permitir que um país naquela "área complicada" tenha uma bomba atômica, ainda que para dissuasão, pode desatar uma corrida armamentista regional. "E não vale a pena começar isso", disse ao Estado. Jobim, que acompanhou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Conferência de Segurança Nuclear, nos EUA, defendeu que o Irã submeta seus projetos à fiscalização da Agência Internacional de Energia Atômica para "acabar com as suspeitas".

Mas ele negou que Lula não tenha tido sucesso na viagem. "Ele foi lá para comunicar que nós vamos ao Irã, independentemente do modo como pensam uns e outros - e conseguiu", disse, referindo-se à viagem a Teerã, marcada para meados de maio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.