Jobim vê 'com reservas' atuação da Otan no Atlântico Sul

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, disse ontem, em Lisboa, em palestra no Instituto Nacional de Defesa, que vê "com reservas quaisquer iniciativas que procurem, de alguma forma, associar o Norte do Atlântico ao Atlântico Sul - sendo o sul, área geoestratégica de interesse vital para o Brasil". Segundo ele, "as questões de segurança das duas metades desse oceano são distintas".

AE, Agência Estado

14 de setembro de 2010 | 08h33

Para Jobim, depois da Guerra Fria, a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) "passou a servir de instrumento de seu membro exponencial, os Estados Unidos, e dos aliados europeus". Por meio do novo conceito da aliança, divulgado em 1999, a força pode intervir em qualquer parte do mundo a pretexto de ações antiterror ou humanitárias, e de contenção às ameaças à democracia ou nas agressões ambientais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
DefesaNelson JobimOtanAtlântico Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.