Joe Biden chega ao Japão e inicia giro pela Ásia

Vice-presidente dos EUA busca acalmar as tensões militares com a China e apoiar o aliado Japão

O Estado de S. Paulo,

02 de dezembro de 2013 | 12h32

O vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, deu início nesta segunda-feira, 2, a um giro de uma semana pela Ásia buscando um delicado equilíbrio entre a necessidade de acalmar as tensões militares com a China e a preocupação em apoiar o aliado Japão numa disputa territorial com Pequim.

Biden desembarcou em Tóquio e foi recebido pela nova embaixadora dos EUA no Japão, Caroline Kennedy. Durante sua estada no Japão, o vice-presidente americano se reunirá com o primeiro-ministro Shinzo Abe.

O Japão reiterou nesta segunda-feira que Tóquio e Washington rejeitam o estabelecimento de uma zona de defesa aérea que inclui ilhas desabitadas, alvo de uma disputa sino-japonesa no mar do Leste da China. No entanto, por orientação do governo americano, três companhias aéreas dos EUA estão notificando Pequim ao sobrevoarem a nova zona de vigilância.

Washington disse no fim de semana que isso não significa uma aceitação da zona de vigilância da sua parte. Na semana passada, os EUA mobilizaram dois bombardeiros B-52 na área sem informar a China. "O governo dos EUA já deixou claro que está profundamente preocupado com o estabelecimento da zona de identificação de defesa aérea, e que não irá aceitar as exigências da China a respeito das operações na zona", disse o chefe de gabinete do governo japonês, Yoshihide Suga, em entrevista coletiva.

As duas maiores companhias aéreas japonesas estão seguindo a orientação do governo de não submeter seus planos de voo a Pequim. As autoridades sul-coreanas orientaram suas empresas aéreas a fazerem o mesmo, já que a zona de vigilância aérea também abrange uma rocha submersa reivindicada por ambos os países.

Em visita a Tóquio na terça-feira, Biden deverá reforçar a validade da aliança militar EUA-Japão que data da década de 1950.

Depois Biden seguirá para Pequim, onde se reunirá com o presidente da China, Xi Jinping. "É especialmente importante... que continuemos a amplificar nossas mensagens de que estamos e sempre estaremos aí para os nossos aliados, e que há uma forma de as duas grandes potências nos EUA e na China construírem um tipo diferente de relacionamento para o século 21", disse uma fonte graduada do governo Obama.

Washington não se posiciona acerca da soberania das ilhas, conhecida como Senkaku no Japão e Diaoyu na China. No entanto, reconhece o controle administrativo de Tóquio, e diz que o pacto de segurança entre EUA e Japão se aplica a esse território - situação que poderia arrastar Washington para um conflito militar que o governo Obama prefere evitar./ REUTERS e AP

Tudo o que sabemos sobre:
Joe BidenJapãoChinaEUACoreia do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.