Jim Watson/ AFP
Jim Watson/ AFP

Joe Biden enfrenta maior índice de desaprovação desde sua eleição

Retirada apressada do Afeganistão e atentado do Estado Islâmico em Cabul derreteram a popularidade do presidente democrata

Renato Vasconcelos, O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2021 | 11h17

Eleito com a promessa de normalizar a política americana após os quatro caóticos anos de governo Trump, o presidente Joe Biden conseguiu, ainda durante a campanha eleitoral, agregar o apoio de setores progressistas, moderados e anti-Trump em sua base de apoio, em uma espécie de coalizão que garantiu ao Partido Democrata não apenas a Presidência dos Estados Unidos, mas a maioria na Câmara e no Senado. Em um cenário político polarizado como o dos EUA, Biden conseguiu manter a avaliação positiva sobre seu governo nos primeiros meses de mandato - mas viu tudo ser posto em risco com a saída americana do Afeganistão e o domínio do país pelo Taleban, sua primeira grande crise.

O número de americanos que desaprovam o governo Biden superou pela primeira vez o porcentual de apoiadores do presidente nessa segunda-feira, 30 - mesmo dia que os EUA encerraram oficialmente sua retirada do Afeganistão -, de acordo com o índice de aprovação da Presidência americana calculado pelo site especializado em dados FiveThirtyEight. De acordo com a iniciativa, 47,5% dos americanos desaprovam o democrata, enquanto 47,2% permanecem fiéis ao governo.

A queda na popularidade de Biden - que chegou a ser 55,1% positiva em 22 de março, segundo o mesmo índice - vem na esteira da retirada apressada dos americanos de Cabul e na reconquista do Afeganistão pelo Taleban - grupo extremista retirado do poder pelos EUA em 2001, ainda no primeiro ano da 'guerra ao terror' lançada pelo então presidente George W. Bush.

A pressão sobre Biden aumentou gradualmente no mês de agosto, com o avanço da campanha militar do Taleban contra as tropas do governo afegão, enquanto as tropas americanas começavam a deixar o país. Com o desempenho das forças afegãs muito abaixo das expectativas, sendo derrotada em semanas, militares e civis americanos, além de afegãos que cooperaram com as forças ocidentais nos últimos anos, viram-se encurralados em Cabul no dia 15 de agosto, com a operação de retirada tento que ser concluída em um país controlado de fato pelos extremistas islâmicos - em cena comparada pela opinião pública americana com a saída americana de Saigon.

O cenário só piorou para Biden nos dias subsequentes, quando as imagens de pessoas se agarrando desesperadamente a fuselagem de aviões - e caindo para a morte após a decolagem - ganharam o mundo. Mesmo com o controle da pista nos dias subsequentes, imagens marcantes não pararam de surgir dos arredores do aeroporto lotado - como crianças sendo passadas de mão em mão até serem entregues a soldados americanos. Além disso, a própria relação com o Taleban, que assumiu o papel de garantir passagens seguras até o aeroporto de Cabul - apesar das denúncias de abusos por parte de militantes contra quem buscava deixar o país - foi visto como mais um vexame na retirada.

O auge da pressão para o público americano, no entanto, veio na última quinta-feira, 26, quando um atentado terrorista promovido pelo Estado Islâmico Khorasan (ISIS-K), trouxe à memória dos americanos, de forma muito viva, a ameaça do terrorismo. A explosão no entorno do aeroporto de Cabul foi um dos ataques mais letais de toda a guerra, vitimando 13 militares americanos e mais de uma centena de civis afegãos.

Para Entender

Quem é o ISIS-K, braço do Estado Islâmico no Afeganistão

Ameaça para Taleban e EUA, o Estado Islâmico Khorasan foi criado há seis anos por descontentes do Taleban paquistanês, críticos à versão 'insuficientemente dura' do governo islâmico

A reação ao atentado no Congresso americano conturbou ainda mais o cenário político do país, motivando até mesmo pedidos de renúncia de Biden por parlamentares alinhados ao ex-presidente Donald Trump. Contudo, mesmo parlamentares democratas exigiram explicações e investigações sobre a operação de retirada, como o senador Robert Menéndez, presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado.

Apesar da popularidade de Biden só ter se tornado inferior à desaprovação na segunda-feira, segundo o índice calculado pelo FiveThirtyEight - que leva em consideração uma série de pesquisas, quantificando os porcentuais a partir de critérios como a data de realização da pesquisa, o tamanho da amostra e a tendência partidária -, outros levantamentos já apontavam que a maior impopularidade do presidente antes da conclusão da retirada.

Uma pesquisa do USA Today/Suffolk University apontou, na semana do atentado do ISIS-K, que Biden tinha uma aprovação geral de apenas 41%, com 55% de desaprovação. Apesar disso, os americanos consultados disseram não acreditar que a continuidade da guerra do Afeganistão fosse desejável.

"Não sei se Biden sofrerá danos permanentes", disse o professor de governo da Universidade de Georgetown, Mark Rom, em entrevista à France-Presse quando a pesquisa foi divulgada. E completou: "Mas os republicanos farão tudo o que estiver ao seu alcance para garantir que sim".

Charles Franklin, diretor de Pesquisa da Escola de Direito da Universidade de Marquette, disse que dada a impopularidade da guerra afegã, Biden ainda pode resistir ao fiasco. "A pergunta política, uma vez que os Estados Unidos tiverem saído por completo, é se a maioria ficará contente de não estarmos mais ali. Se for assim, é provável que este problema se esfumace", disse.

Ao Estadão, o professor Oliver Stuenkel, professor de Relações Internacionais da Fundação Getúlio Vargas (FGV) em São Paulo afirmou que a queda de popularidade em um ambiente polarizado como os EUA precisa ser visto com preocupação, principalmente com a aproximação das eleição de midterm do próximo ano, que definem a composição do Congresso americano no próximo ano.

"A retirada catastrófica do Afeganistão pesa na aprovação do presidente, que piorou bastante e deu a ele a pior semana desde o começo de seu mandato - que em parte tem a ver também com o aumento de casos da variante Delta no país. É difícil dizer o porcentual de cada coisa nessa primeira queda significativa, mas certamente contribui para essa primeira crise do governo, sobretudo em um país altamente polarizado, em que a flutuação da taxa de aprovação é mais rara, porque a grande maioria da população está de um lado ou do outro, independente de qualquer coisa. Isso é um problema para o presidente, que precisa encerrar o assunto, virar a página, para que o Partido Democrata continue a ter maioria no Senado e na Câmara nas eleições de midterm"./ Com informações da AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.