Brian Snyder/Reuters
Brian Snyder/Reuters

Joe Biden vota antecipadamente nas eleições americanas

O democrata votou em Wilmington, no Estado de Delaware, onde reside; candidatos condenou saques a comércios ocorridos na Filadélfia na terça-feira

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2020 | 16h35
Atualizado 28 de outubro de 2020 | 18h15

WILMINGTON, EUA - -O candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, votou antecipadamente na eleição dos Estados Unidos nesta quarta-feira, 28, seis dias antes do fim da disputa.

O ex-vice-presidente votou no edifício estatal Carvel de Wilmington, no Estado de Delaware, onde reside, somando-se ao número recorde de 74 milhões de americanos que já votaram antes do dia das eleições, 3 de novembro.  Pouco antes de votar, Biden disse que espera ser eleito para "fazer a diferença".

O ex-vice-presidente havia dito pouco antes, durante um discurso sobre como enfrentar a crise sanitária provocada pela pandemia de covid-19, que não votaria apenas em si, mas em diversos candidatos para cargos locais e estaduais.

"Restam seis dias para as eleições, e os americanos têm em suas mãos a possibilidade de colocar este país em um caminho infinitamente diferente", afirmou o democrata.

Embora muitos votos tenham sido enviados por correio, tanto Biden como Trump optaram por comparecer pessoalmente aos centros de votação: o presidente depositou sua cédula no último sábado, 24, na Flórida, seu Estado oficial de residência.

Após votar, Biden falou rapidamente com a imprensa sobre os saques a comércios ocorridos na Filadélfia, no Estado da Pensilvânia, durante os protestos de terça-feira, motivados pela morte de um jovem negro nas mãos da polícia.

Para Entender

Trump ou Biden? Ferramenta mostra quem venceria hoje nos EUA

A cada dia fazemos 10 mil eleições simuladas, com dados das pesquisas mais recentes, para estimar o resultado mais provável em cada Estado e no colégio eleitoral

"Não há absolutamente nenhuma desculpa para os saques e a violência, embora o protesto seja legítimo", declarou.

No discurso sobre a pandemia, o candidato democrata advertiu que se Trump ganhar as eleições e enfraquecer o Obamacare com a ajuda da Suprema Corte, acabará a obrigação para que a vacina contra a covid-19 seja gratuita para os americanos com seguro médico.

"Mesmo que eu ganhe, teremos muito trabalho para acabar com esta pandemia. Não estou fazendo uma falsa promessa de que posso acabar com esta pandemia como se apertasse um botão. Mas começarei, desde o primeiro dia, tomando as decisões corretas. Deixaremos que a ciência nos guie", declarou Biden. /AFP e EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.