Jogo duplo do presidente pode ter sido seu erro fatal

Homem de decisões freqüentemente impetuosas e soldado de coração, Pervez Musharraf inverteu sua posição após o 11 de Setembro e se juntou aos EUA, tornando-se um dos aliados-chave de Washington na sua campanha contra o terrorismo.Foi uma jogada ousada que reforçou o governo de George W. Bush em sua guerra contra a Al-Qaeda e o Taleban no Afeganistão e permitiu que os EUA detivessem importantes membros da Al-Qaeda no Paquistão. Mas a poderosa agência de espionagem paquistanesa jamais rompeu os laços com o Taleban.Nove anos mais tarde, o Taleban está combatendo ferozmente os EUA no Afeganistão. Rejuvenescido, o Taleban agora controla virtualmente a região tribal paquistanesa,fronteira com o Afeganistão, e está abrindo caminho pelo restante do Paquistão, ameaçando a estabilidade da potência nuclear, de 165 milhões de habitantes."Musharraf continuou a acobertar o Taleban, mas mesmo assim conseguiu convencer os EUA durante anos de que não fazia jogo duplo", disse Ahmed Rashid, um especialista paquistanês em Taleban.O feito foi executado com tal maestria que Musharraf recebeu mais de US$ 10 bilhões em ajuda militar americana para seu Exército, além de ajuda secreta. Boa parte do dinheiro foi realocado para o orçamento geral do Paquistão, mas o governo Bush estava tão ansioso em manter Musharraf como aliado que decidiu não reclamar.Musharraf deixou a chefia do Exército em novembro, passando o cargo para o general Ashfaq Parvez Kayani, que se manteve acima da disputa sobre a abertura do impeachment contra o presidente.Depois de depor o primeiro-ministro Nawaz Sharif, em outubro de 1999, Musharraf começou sua presidência com o imenso apoio de um público cansado de uma década de governo civil fraco e corrupto. Em março de 2007, com a perspectiva de enfrentar eleições, Musharraf destituiu o chefe do Judiciário, Iftikhar Muhammad Chaudhry, aparentemente temendo que o juiz prejudicasse sua reeleição, já que ele ainda acumulava a chefia do Exército, algo proibido pela Constituição. Protestos tomaram o país, em uma vibrante campanha anti-Musharraf.IMPOPULAREm novembro, Musharraf decretou estado de emergência e demitiu 60 juízes. Quando finalmente revogou o decreto, em dezembro, era visto como um ditador impopular. E seus principais opositores políticos, Benazir Bhutto e Nawaz Sharif, já haviam retornado ao Paquistão para disputar as eleições.Benazir foi assassinada em 27 de dezembro. O viúvo de Benazir, Asif Ali Zardari, assumiu a chefia do Partido Popular do Paquistão que foi o mais votado nas eleições de fevereiro. Ao final, segundo Rashid, o fracasso de Musharraf em administrar seu jogo de manter os americanos a seu lado e fechar os olhos aos extremistas religiosos pode ter sido seu erro fatal, e deixando o Paquistão numa posição mais precária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.