Jabin Botsford/WP
Jabin Botsford/WP

John Bolton se torna alvo de aliados do presidente na internet

Matéria de blog com base em insinuações contra ex-secretário se espalha por Twitter, Facebook e redes de TV

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2020 | 22h04

WASHINGTON - A manchete chamou pouca atenção quando apareceu em maio do ano passado em um blog chamado Desobedient Media (Mídia Desobediente): “John Bolton levou dinheiro de bancos ligados a cartéis, terroristas e o Irã”. Na segunda-feira, o blog ganhou súbita popularidade. Sua principal matéria, com base em insinuações e meias-verdades, veio de bandeja para os mais inflamados apoiadores online de Donald Trump, ansiosos em desacreditar o ex-conselheiro de Segurança Nacional desde que surgiram notícias de que seu novo livro confirmaria informações de que o presidente reteve ajuda destinada à Ucrânia para forçar o país a investigar políticos democratas.

A história teve imediatamente mais de 5 mil intervenções no Facebook, espalhando-se por sites e grupos empenhados em defender Trump. Logo se tornou um trunfo na campanha para desacreditar Bolton ao questionar sua motivação e retratá-lo como vira-casaca.

Os ataques, que se desdobraram nas 24 horas seguintes, após ficar claro que Bolton tinha informações potencialmente desastrosas para compartilhar, inundaram canais de TV, podcasts conservadores e ganharam força no universo da extrema direita.

Na terça-feira, já havia um estudo sobre como a internet favorável a Trump fulmina um inimigo, mesmo que se trate de um falcão ultraconservador. A desconstrução de Bolton, rotulando-o de traidor e membro do “Estado profundo” – referência a uma teoria da conspiração incentivada pelo presidente de que um governo nas sombras está trabalhando para sabotar seu governo –, faz uso de textos enganosos e memes chamativos. 

Ela abrange desde contas obscuras do Twitter, com umas poucas dezenas de seguidores, a âncoras de primeira linha da Fox News, com público de centenas de milhares de pessoas. A desconstrução acabou chegando ao Congresso, quando o senador Rand Paul, republicano de Kentucky, descreveu Bolton como “funcionário frustrado demitido que agora tem motivos para incendiar a casa”. 

O próprio Trump ecoou os ataques na segunda-feira, ao retuitar um post em que Lou Dobbs, da Fox News Business, chamou Bolton de “neoconservador rejeitado executando o desesperado ato final do Estado profundo”.

A situação, segundo especialistas, ilustra como insultos pessoais orientados por teorias da conspiração online – que Trump usou em seu caminho para a presidência – continuam sendo fundamentais para que ele controle suas bases. “Você dança com quem você convidou para o baile”, disse Joseph Uscinki, cientista político da Universidade de Miami e coautor de American Conspiracy Theories (“Teorias da conspiração americanas”).

Para Entender

As etapas do processo de impeachment de Trump no Senado

Julgamento de presidente dos Estados Unidos começa no Senado, que vai definir audiências e decidir se convoca testemunhas; maioria republicana deve absolver Trump

O caminho seguido pela Desobedient Media mostra também como brechas da internet podem ser usadas em propaganda política. O blog é escrito por William Craddick, advogado formado pela Universidade Pepperdine, que trabalha na defesa do consumidor em Los Angeles. O nome do blog, segundo ele, tem como base uma “brincadeira entre amigos que captura o sentimento de ir contra a corrente”.

A manchete sensacionalista descaracteriza o texto da mensagem, com base numa reportagem do Washington Post sobre como Bolton fez palestras pagas para o Deutsche Bank, para o banco britânico HSBC e para uma fundação administrada por um magnata do aço ucraniano. Mas todas as diferenças de interpretação foram esquecidas quando o post ganhou força, na segunda-feira, publicado por duas dezenas de grupos do Facebook com um total de 300 mil membros. / THE WASHINGTON POST, TRADUÇÃO DE ROBERTO MUNIZ

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.