Jordânia detém suspeitos de matar diplomata dos EUA

A polícia da Jordânia deteve dois homens pelo assassinato do diplomata americano Laurence Foley, ocorrido no final de outubro em Amã. Segundo um comunicado do Ministério da Informação jordaniano, os dois detidos ? o líbio Salem Sa´ed Salem bin Suweid e o jordaniano Yasser Fathi Ibrahim ? confessaram ser membros da Al-Qaeda e ter vínculos com um líder da rede terrorista acusado de ser especialista em armas químicas e biológicas. De acordo com fontes jordanianas, ao longo das investigações sobre o assassinato de Foley, as autoridades jordanianas também descobriram evidências de outras células da Al-Qaeda em vários pontos do Oriente Médio. Segundo o comunicado do Ministério, que foi lido hoje na emissora de televisão estatal, as prisões de bin Suweid e Ibrahim foram feitas pelo Departamento Geral de Inteligência do país. Foley foi morto a tiros em frente da sua casa na capital da Jordânia, na manhã de 28 de outubro, quando caminhava em direção ao seu carro. O diplomata era alto funcionário da Agência Americana para o Desenvolvimento Internacional na Jordânia. A Embaixada dos EUA na Jordânia emitiu um comunicado elogiando o governo jordaniano por sua determinação em levar adiante as investigações sobre o assassinato de Foley. Em Washington, o porta-voz do Departamento de Estado, Louis Fintor, perguntado sobre uma possível extradição para os EUA dos dois detidos, afirmou que não há informação sobre qualquer plano americano de processar os suspeitos.

Agencia Estado,

14 Dezembro 2002 | 17h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.