Jordânia renova oferta de troca de reféns com Estado Islâmico

O governo da Jordânia ofereceu novamente libertar uma prisioneira pertencente à Al-Qaeda em troca da liberação do piloto da força aérea do país que está nas mãos do grupo extremista Estado Islâmico.

Estadão Conteúdo

01 de fevereiro de 2015 | 16h29

Muath Al-Kaseasbeh continua ameaçado de morte pelo Estado Islâmico, que ontem divulgou um vídeo supostamente mostrando a decapitação do jornalista japonês Kenji Goto. Na semana passada, o grupo pediu a libertação de Sajida Al-Rishawi, prisioneira do governo da Jordânia. Ela foi condenada à morte por sua participação no planejamento de um atentado à bomba em hotéis do país, em 2005.

"Ainda estamos dispostos a fazer a troca", afirmou o porta-voz do governo, Mohammed Al-Momani.

Não se sabe, no entanto, se a troca dará certo, uma vez que o áudio em que o grupo pede a libertação de Sajida diz apenas que o piloto seria morto caso ela não fosse libertada.

Enquanto isso, familiares de Al-Kaseasbeh pedem que o governo seja mais transparente sobre seus esforços no caso. "Queremos que eles nos falem a verdade", afirmou Yassin Rawashda, tio do piloto. De acordo com ele, a família não sabe se as negociações estão caminhando para um desfecho positivo ou não. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
JordâniaEstado Islâmico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.