Jordânia teme ataque químico da Al-Qaeda

Extremistas aparentemente ligados à rede Al-Qaeda planejavam detonar uma potente bomba química na Jordânia que poderia ter causado a morte de 20 mil pessoas, além de terem planos de atacar a embaixada dos Estados Unidos em Amã e lançar gás venenoso contra o gabinete do primeiro-ministro e alvos civis, disseram autoridades locais neste sábado.Oficiais ligados à investigação disseram que diversos militantes foram detidos na Jordânia ao longo das últimas semanas e confessaram os planos liderados por Abu-Musab al-Zarqawi, que teria ligações com Osama bin Laden, líder da Al-Qaeda.O rei Abdullah II da Jordânia enviou durante uma semana uma carta agradecendo ao general Saad Kheir, diretor dos serviços secretos, por ter "poupado milhares de vidas" com a detenção de diversos extremistas islâmicos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.