Jordaniano defende ataques aos EUA em vídeo póstumo

O jordaniano que matou sete agentes da CIA em um atentado suicida no Afeganistão, no último dia 30 de dezembro, disse num vídeo póstumo divulgado neste sábado que "todos os jihadistas" devem atacar alvos dos Estados Unidos para vingarem a morte de Baitullah Mehsud, ex-líder do Taleban no Paquistão.

AE-AP, Agencia Estado

09 de janeiro de 2010 | 10h51

O vídeo, que mostra Human Khalil Abu Mulal al-Balawi sentado ao lado do sucessor de Mehsud em local não identificado, confirma a participação do Taleban paquistanês em um dos mais graves ataques da história já lançados contra a CIA.

O jordaniano, que teria sido um agente triplo da rede terrorista, da agência de inteligência americana e do governo da Jordânia, disse no vídeo exibido pela rede de TV árabe Al-Jazira que o Taleban no Paquistão deu abrigo a "emigrantes", combatentes muçulmanos de outros países. Mehsud foi morto em agosto passado, em um ataque de mísseis lançado pela CIA.

"Nunca esqueceremos o sangue de nosso emir Baitullah Mehsud", disse al-Balawi, que trajava roupas afegãs no vídeo de 1 minuto e meio. "Nós sempre exigiremos vingança por ele na América e fora de lá. É uma obrigação dos emigrantes que foram recebidos pelo emir".

Al-Balawi concluiu a gravação dizendo que o Taleban paquistanês, sob a liderança de seu novo chefe, Hakimullah Mehsud, "continuará lutando até a vitória". As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
terrorismoCIAJordânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.