Jornais do Equador condenam Correa por cercar Congresso

Os principais jornais equatorianos divulgaram um editorial conjunto na sexta-feira, 9, para condenar a decisão do governo de cercar o Congresso para impedir a entrada de dezenas de deputados expulsos pela Justiça Eleitoral. As publicações disseram-se alarmadas com a medida, que chamaram de "irresponsabilidade política". "Com profunda preocupação, o país assiste a um sistemático processo de destruição de suas instituições e de manipulação do poder, da Constituição e da lei", afirmaram os jornais, reunidos na Associação Equatoriana de Editores de Periódicos. O presidente do país, Rafael Correa, que assumiu o cargo em janeiro, decidiu na quinta-feira cercar o Congresso, em Quito, com centenas de policiais, para garantir o cumprimento da decisão da Justiça Eleitoral.A decisão expulsou 57 dos 100 parlamentares depois que tentaram bloquear a convocação de uma consulta popular em abril para o estabelecimento de uma Assembléia Constituinte. A assembléia teria amplos poderes para modificar a Constituição. O presidente, que conta com alta popularidade num país em que os partidos tradicionais estão desprestigiados, garantiu que a convocação da consulta popular, prevista para o dia 15 de abril, é irreversível.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.