Jornais pedem ajuda para analisar emails de Sarah Palin

Publicações pedem até ajuda de leitores; material foi divulgado nesta sexta pelo governo do Alasca

Associated Press

10 de junho de 2011 | 17h38

'New York Times' pediu a ajuda dos leitores

 

JUNEAU - Jornais e agências de notícias americanos estão usando a criatividade - e até pedindo a ajuda de leitores - para analisar as mais de 24 mil páginas de emails da ex-governadora do Alasca Sarah Palin divulgadas nesta sexta-feira, 10, pelas autoridades do Estado.

 

O grande volume de documentos, a infraestrutura e o isolamento de Juneau, capital do Alasca, são fatores que forçaram tais instituições a buscar novas formas para publicar revelações importantes nos emails de Sarah. As autoridades liberaram o material somente na forma impressa e para os jornalistas que estivessem presentes na cidade - acessível somente via aérea ou marítima.

 

O New York Times, o maior jornal dos Estado Unidos, estabeleceu um sistema que recruta leitores para ajudar a analisar os emails. O Washington Post adotou um sistema semelhante, que permite que os adeptos possam também comentar sobre os principais pontos do material.

 

As agências Mother Jones, ProPublica e o site MSNBC.com se uniram à empresa Crivella West para criar um banco de dados digital do material, no qual os usuários da internet poderiam pesquisar livremente as mensagens, que correspondem aos 21 primeiros meses de Sarah Palin como governadora do Alasca, antes de se tornar candidata à vice-presidente ao lado do republicano John McCain.

 

A agência Associated Press planeja escanear cópias dos emails e criar também um banco de dados acessível aos seus parceiros e clientes. De acordo com a agência, a justificativa do governo do Alasca para que não houvesse uma divulgação digital é a de que essa forma não era prática.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.