Jornal crítico ao chavismo é vendido na Venezuela, diz sindicato

'El Universal' passaria para o controle de um grupo de investidores 

O Estado de S. Paulo

04 de julho de 2014 | 12h34

 CARACAS - O Sindicato Nacional dos Jornalistas da Venezuela (SNTP) afirmou nesta sexta-feira, 4, que o jornal El Universal, um dos mais antigos do país, foi vendido a um grupo de investidores espanhóis. O diário é o terceiro meio de comunicação crítico ao chavismo que foi vendido desde a eleição de Nicolás Maduro, no ano passado. 

Segundo o sindicato, o novo presidente do conselho de administração do jornal é Jesús Abreu Anselmi, um economista que trabalhou como assessor de empresas privadas e públicas na Venezuela. 

Jornalistas venezuelanos temem que a venda signifique uma mudança na linha editorial do jornal. Uma reunião com funcionários da empresa na tarde de hoje deve confirmar o negócio. 

O jornal tem enfrentado problemas para comprar papel em razão do acesso dificultado a dólares e poucos anunciantes estatais. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.