Jornal diz que Chirac tem conta milionária no Japão

Em um novo round da crise que abalou o governo francês nos últimos dias, o semanário cômico-investigativo Le Canard Enchaine colocou no foco do noticiário sobre corrupção o presidente da França, Jacques Chirac. Segundo uma reportagem do jornal, o chefe de Estado possuiria uma conta secreta com cerca de US$ 58 milhões em um banco japonês.A revelação foi feita pelo militar francês responsável pela investigação do suposto envolvimento de políticos, executivos e agentes secretos franceses no envio de dinheiro público desviado a contas do banco Clearstream, de Luxemburgo, e pode ligar Chirac a uma complexa trama que já ameaça a integridade política do primeiro-ministro francês, Dominique de Villepin.Candidato de Chirac a sucessão presidencial, que acontece em 2007, Villepin é acusado de ter pedido a instauração das investigações com o objetivo de atingir o ministro do interior francês, Nicolas Sarkozy. Líder do partido União por um Movimento Popular (UMP) - do qual o premier e o presidente fazem parte -, Sarkozy é visto como um dos principais adversários de Villepin na corrida presidencial.Mais cedo nesta terça-feira, o ministro do Interior francês depôs para dois juízes em uma ação instaurada por ele, outros líderes políticos e executivos com o objetivo de descobrir quem são os responsáveis pelas acusações levantadas contra ele no caso Clearstream. As denúncias foram consideradas falsas, uma vez que não existem provas que comprometam Sarkozy. Desconfia-se que adversários políticos do ministro (entre eles Villepin) estejam por trás da trama.Embora a revelação apresentada pelo Le Canard Enchaine contra Chirac não esteja diretamente ligada ao caso Clearstream, ela já provoca desconfiança em relação ao presidente francês.O gabinete presidencial, no entanto, atacou a reportagem do jornal, alegando que esta é parte de uma campanha de difamação que tem por objetivo atingir o governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.