Nasser Nasser/AP
Nasser Nasser/AP

Jornal egípcio 'enfrenta charges com charges' para rebater cartuns de Maomé

Periódico 'Al-Watan' publica cartuns irônicos sobre as relações entre o Ocidente e o mundo muçulmano

BBC Brasil, BBC

26 de setembro de 2012 | 16h54

CAIRO - O jornal egípcio Al-Watan lançou uma campanha chamada "combata charges com mais charges", em que critica os cartuns de Maomé impressos pela revista satírica francesa Charlie Hebdo e publica cartuns irônicos sobre as relações entre o Ocidente e o mundo muçulmano. O Al-Watan, um jornal secular, publicou nesta semana 13 charges. Uma delas mostra um par de óculos pelo qual se vê as torres do World Trade Center sendo atingidas por aviões. A legenda: "Óculos ocidentais para o mundo muçulmano".

 

Veja também:

linkIslâmico paquistânes acusa Obama de guerra contra muçulmanos

linkJustiça barra no Brasil filme que ofende Maomé

 

Uma segunda charge mostra dois homens árabes lado a lado. Um deles usa um turbante, barbas desgrenhadas, tem uma cara de raiva e carrega uma faca ensanguentada, dando a entender que se trata de um terrorista. Ele está ao lado de outro árabe, sorridente. Abaixo dos dois, uma lanterna com a bandeira dos EUA joga luz apenas no homem que parece ser um terrorista.

 

'Pensamento com pensamento'

 

Há também um cartum em que um homem branco acusa um homem barbudo e raivoso de ser um terrorista; o homem branco então percebe que o barbudo é um israelense e oferece a ele uma flor. As charges são parte de uma seção inteira do jornal dedicada a criticar a Charlie Hebdo, que publicou charges ironizando Maomé após a onda de violência no mundo muçulmano contra o filme anti-islâmico "A inocência dos muçulmanos".

 

Os protestos contra o filme e contra a Charlie Hebdo resultaram em dezenas de mortes em países muçulmanos e em ações contra embaixadas ocidentais nesses países - num dos episódios mais graves, em 11 de setembro, a representação diplomática americana em Benghazi, na Líbia, foi atacada, levando à morte do embaixador Christopher Stevens e de outras três pessoas.

 

A seção do Al-Watan incluiu artigos de conhecidos escritores seculares egípcios, como o ex-diretor de pesquisas do Carnegie Middle East Centre, Amr Hamzawi, e acadêmicos e religiosos do país, como o mufti (intérprete qualificado do Alcorão) Ali Gomaa. Leitores do Al-Watan - jornal crítico ao presidente islâmico eleito recentemente no Egito, Mohammed Morsi - reagiram positivamente ao caderno especial. Alguns elogiaram a ideia de "confrontar pensamento com pensamento" na crítica ao Charlie Hebdo e de dar uma "resposta civilizada" ao semanário francês.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.