Jornal revela e-mails pessoais de Assad

O presidente Bashar Assad foi advertido por um assessor sobre a entrada ilegal de jornalistas no país, segundo sugerem e-mails dele, interceptados por oposicionistas sírios e publicados ontem pelo jornal britânico The Guardian. Um integrante do grupo de aliados do presidente forneceu aos oposicionistas as senhas dos e-mails pessoais do presidente e da mulher dele, Asma, e eles os monitoraram entre junho e fevereiro, até que uma mensagem do hacker Anonymous fez o casal abandonar essas contas.

ALTINOSU, TURQUIA, O Estado de S.Paulo

15 de março de 2012 | 03h03

Segundo o Guardian, um consultor chamado Khaled al-Ahmed, que aparentemente assessorava Assad em questões relativas às áreas de Homs e Idlib, advertiu que repórteres "entraram na área cruzando as fronteiras libanesas ilegalmente". Em fevereiro, o bombardeio de um prédio no bairro de Baba Amr, em Homs, matou uma repórter americana e um fotógrafo francês e feriu outros quatro jornalistas.

Em outra mensagem, Ahmed diz que um informante que se reunira com "líderes de grupos em Baba Amr" relatou que um grande carregamento de armas vindas da Líbia chegaria "à costa de um dos Estados vizinhos dentro de três dias para ser contrabandeado para a Síria". O capitão Ayham al-Kurdi, porta-voz do Exército Livre da Síria, disse ao Estado que a Líbia ofereceu armas aos rebeldes, mas não foi possível entregá-las. Rebeldes disseram que há um carregamento parado em um porto turco.

Os e-mails sugerem também que Assad recebe orientação do adido político iraniano na Síria e do empresário libanês Hussein Mortada, que, segundo o jornal, tem ligações com o Irã e o grupo xiita libanês Hezbollah.

A rebelião na Síria completa um ano hoje com as forças leais ao presidente na ofensiva. O Exército continuou consolidando seu controle sobre Idlib, no noroeste, e avançou sobre Deraa, no sul. / L.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.