Jornalista americana é seqüestrada em Bagdá

A jornalista americana Gill Kelly, enviada especial do Christian Science Monitor, foi seqüestrada hoje por um grupo de homens armados em Bagdá, confirmou à EFE uma fonte do Ministério do Interior do Iraque. A repórter ia entrevistar um conhecido líder sunita quando um grupo de homens armados bloqueou uma rua do bairro de Al Adel, na zona oeste da capital, matando seu motorista e tradutor antes de forçá-la a entrar num automóvel, explicou a fonte.O corpo do tradutor, que também era jornalista, foi identificado como de Alen Ghazi Chak. Desde que em março de 2003 o regime de Saddam Hussein foi derrubado, dezenas de iraquianos e estrangeiros foram seqüestrados por grupos radicais no Iraque. Muitas dessas pessoas foram libertadas, outros permanecem em poder de seus seqüestradores e algumas foram assassinadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.