Jornalista chinês é condenado a prisão por desordem pública

Sun Lin trabalhava em uma página da internet com base nos Estados Unidos e foi condenado a quatro anos

Efe,

02 de julho de 2008 | 05h35

Um jornalista chinês que trabalha em uma página de internet com base nos Estados Unidos foi condenado a quatro anos de prisão por um tribunal de Nanjing (China), acusado de posse ilegal de armas e de causar a desordem pública, denunciou a ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF). Sun Lin, que em seu trabalho profissional utilizava o pseudônimo de Jie Mu, foi detido no dia 30 de maio de 2007, depois de as autoridades chinesas exigirem que abandonasse o site Boxun, que retrata a atualidade chinesa, mas que possui sede física nos Estados Unidos. A Polícia chinesa conseguiu detê-lo depois de acusá-lo de fazer parte de um bando organizado de extorsão de taxistas sem licença. O advogado de Sun Lin, Mo Shaoping, afirmou que o tribunal de Nanjing cometeu repetidas falhas, como não entrar em contato com representantes do acusado três dias antes de emitir a sentença e impedir a assistência à audiência oral da família de Sun. O site Boxun lamentou as detenções de Sun e de sua mulher, He Fang, que também trabalhava para a página, e acusou as autoridades chinesas de "orquestrar" a operação para silenciar suas informações, relacionadas com crimes e brutalidade policial. "Este é outro trágico exemplo da falta de habilidade do governo chinês para tolerar os jornalistas que querem informar livremente", assinalou a Repórteres Sem Fronteiras em comunicado.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinaprisãojornalista

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.