Jornalista colombiana quer fugir do país

A presidente do sindicato dos fotógrafos da Colômbia disse que pretende fugir do país, por causa das ameaças de morte que ela e outros membros do sindicato vêm recebendo. ?Não consigo mais comer?, disse Gladys Barajas. ?Minha vida está em pedaços?. Barajas, que trabalha para uma empresa de TV e cinema chamada Raya Productions, disse que a ameaça mais recente, recebida por e-mail, terminava dizendo ?você tem mais sete dias?.Ela afirma não ter idéia da origem das ameaças. Barajas é presidente do Círculo de Repórteres Gráficos há cinco anos. Na última semana, o sindicato denunciou membros da polícia colombiana, que teriam atacado três fotógrafos que faziam a cobertura do atentado de 7 de fevereiro num clube de Bogotá, onde morreram 36 pessoas.A Colômbia é um dos lugares mais perigosos do mundo para exercer a profissão de jornalista. Pelo menos 114 profissionais foram mortos nos últimos 14 anos no país, segundo a Sociedade Interamericana de Imprensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.